06/12/2013

Entre dentes





Entre dentes

Deitado sobre ti
ensinas-me a sair
da treva.

Com a boca dorida
por tanta palavra
ensangüentada
devoro o teu cabelo
ouro que se desfaz
por entre os dentes.


E o teu sorriso
quando te penetro
ilumina súbito
a noite do meu corpo

Armando Silva Carvalho



27/11/2013

O Amor é o Amor...






O AMOR É O AMOR

O amor é o amor - e depois?!
Vamos ficar os dois
a imaginar, a imaginar?

O meu peito contra o teu peito,
cortando o mar, cortando o ar.
Num leito
há todo o espaço para amar!

Na nossa carne estamos
sem destino, sem medo, sem pudor,
e trocamos - somos um? somos dois? -
espírito e calor!

O amor é o amor - e depois?

ALEXANDRE O'NEILL, 
in ABANDONO VIGIADO (1960), in POESIAS COMPLETAS 1951/1986 (INCM, 3ª ed. , 1995)



17/08/2013

Amor é bicho instruído









Amor é bicho instruído
Olha: o amor pulou o muro
o amor subiu na árvore
em tempo de se estrepar.
Pronto, o amor se estrepou.
Daqui estou vendo o sangue
que escorre do corpo andrógino.
Essa ferida, meu bem
às vezes não sara nunca
às vezes sara amanhã.

CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE



05/08/2013

Segredo






SEGREDO

Não contes do meu
vestido
que tiro pela cabeça

nem que corro os
cortinados
para uma sombra mais espessa

Deixa que feche o
anel
em redor do teu pescoço
com as minhas longas
pernas
e a sombra do meu poço

Não contes do meu
novelo
nem da roca de fiar

nem o que faço
com eles
a fim de te ouvir gritar


MARIA TERESA HORTA, in POESIA COMPLETA (Litexa, 1983)
*

Óleo sobre tela: Slowly Undressing, de Nicolay Reznichenko





17/07/2013

Seios









Seios

Sei os teus seios.
Sei-os de cor.
Para a frente, para cima,
Despontam, alegres, os teus seios. 
Vitoriosos já, 
Mas não ainda triunfais. 
Quem comparou os seios que são teus 
(Banal imagem) a colinas! 
Com donaire avançam os teus seios, 
Ó minha embarcação! 
Por que não há 
Padarias que em vez de pão nos dêem seios 
Logo p´la manhã? 
Quantas vezes 
Interrogaste, ao espelho, os seios? 
Tão tolos os teus seios! Toda a noite 
Com inveja um do outro, toda a santa 
Noite! 
Quantos seios ficaram por amar? 
Seios pasmados, seios lorpas, seios 
Como barrigas de glutões! 
Seios decrépitos e no entanto belos 
Como o que já viveu e fez viver! 
Seios inacessíveis e tão altos 
Como um orgulho que há-de rebentar 
Em desesperadas, quarentonas lágrimas... 
Seios fortes como os da Liberdade 
- Delacroix - guiando o povo. 
Seios que vão à escola p´ra de lá saírem 
Direitinhos p´ra casa... 
Seios que deram o bom leite da vida 
A vorazes folhos alheios! 
Diz-se rijo dum seio que, vencido, 
Acaba por vencer... 
O amor excessivo dum poeta: 
«E hei-de mandar fazer um almanaque 
Na pele encadernado do teu seio!» (Gomes Leal) 
Retirar-me para uns seios que me esperam 
Há tantos anos, fielmente, na província! 
Arrulho de pequenos seios 
No peitoril de uma janela 
Aberta sobre a vida. 
Botas, botifarras 
Pisando tudo, até os seios 
Em que o amor se exalta e robustece! 
Seios adivinhados, entrevistos, 
Jamais possuídos, sempre desejados! 
«Oculta, pois, oculta esses objectos, 
Altares onde fazem sacrifícios 
Quantos os vêem com olhos indiscretos» (Abade de Jazente) 
Raparigas dos limões a oferecerem 
Fruta mais atrevida: inesperados seios... 
Uma roda de velhos seios despeitados, 
Rabujando, 
A pretexto de chá... 
Engolfo-me num seio até perder 
Memória de quem sou... 
Quantos seios devorou a guerra, quantos, 
Depressa ou devagar, roubou à vida, 
À alegria, ao amor e às gulosas 
Bocas dos miúdos! 
Pouso a cabeça no teu seio 
E nenhum desejo me estremece a carne 
Vejo os teus seios, absortos 
Sobre um pequeno ser. 


Alexandre O'Neill 














09/05/2013

Sejamos pornográficos...







Oh! sejamos pornográficos
(docemente pornográficos)
Por que seremos mais castos
que o nosso avô português?

Oh! sejamos navegantes,
bandeirantes e guerreiros,
sejamos tudo que quiserem,
sobretudo pornográficos.

Teus amigos estão sorrindo
de tua última resolução.
Pensavam que o suicídio
fosse a última resolução.
Não compreendem, coitados,
que o melhor é ser pornográfico.

Propõe isso a teu vizinho,
ao condutor do teu bonde,
a todas as criaturas
que são inúteis e existem,
propõe ao homem de óculos
e à mulher de trouxa de roupa.
Dize a todos: Meus irmãos,
não quereis ser pornográficos?

Carlos Drummond de Andrade
in Brejo das almas (1934)



30/04/2013

Mãos Dadas








MÃOS DADAS 


Não serei o poeta de um mundo caduco.
Também não cantarei o mundo futuro.
Estou preso à vida e olho meus companheiros.
Estão taciturnos mas nutrem grandes esperanças.
Entre eles, considero a enorme realidade.
O presente é tão grande, não nos afastemos.
Não nos afastemos muito, vamos de mãos dadas.
Não serei o cantor de uma mulher, de uma história,
não direi os suspiros ao anoitecer, a paisagem vista da janela,
não distribuirei entorpecentes ou cartas de suicida,
não fugirei para as ilhas nem serei raptado por serafins.
O tempo é a minha matéria, o tempo presente, os homens presentes,
a vida presente.

Carlos Drummond de Andrade


06/02/2013

L'Orchidée








"L'Orchidée"



Une fleur a mangé ton ventre jusqu’au fond
Sa tige se prolonge en dard sous les entrailles
Fouille la chair de sa racine et tu tressailles
Quand aux sursauts du cœur tu l’entends qui répond.

C’est une fleur étrange et rare, une orchidée
Mystérieuse, à peine encore en floraison
Ma bouche l’a connue et j’ai conçu l’idée
D’asservir sous ses lois l’orgueil de ma raison.

C’est pourquoi, de ta fleur de chair endolorie,
Je veux faire un lys pur pour la Vierge Marie
Damasquiné d’or rouge et d’ivoire éclatant,

Corolle de rubis comme une fleur d’étoile
Chair de vierge fouettée avec des flots de sang
Ta Vulve rouge et blanche et toute liliale. 


Pierre Louÿs (1870-1925) _ "L'Orchidée"




Related Posts with Thumbnails

Contribuidores